Filmes no Feminino | Carrie Pilby (2016)

1.29.2018

Já andava para ver este filme há algum tempo. Um filme de uma categoria mais indie desperta-me sempre a atenção e esta actriz que começa a aparecer cada vez mais ainda me despertava mais a curiosidade. E quando soube que ele era realizado por uma mulher soube que vos tinha que falar dele. O filme é realizado por Susan Johnson e este foi assim o seu grande filme como realizadora sendo ela que está a realizado neste momento a adaptação cinematográfica do livro "A Todos os Rapazes que amei" de Jenny Han. 


Carrie (Bel Powley), uma mulher talentosa que se formou em Harvard aos 19 anos, luta para encontrar algum sentido no mundo enquanto enfrenta questões como a moral, os relacionamentos, o sexo e a hipótese de deixar o seu apartamento em Nova Iorque. Sem trabalho e sem amigos devido aos altos padrões que coloca, Carrie é aconselhada pelo seu terapeuta a criar um plano de cinco pontos para se colocar no caminho certo.
Carrie é assim uma menina de 19 anos, que após uma passagem atribulada pela escola, afinal ela é um prodígio, ela passa os dias em casa a devorar livros e a frequentar as sessões com o seu terapeuta. A mãe morreu quando ela era muito jovem e o pai vive em Londres, onde acaba de reconstruir a sua família. Carrie vive num mundo aparte, receosa de sair da sua zona de conforto e sair magoada. Mas todos à sua volta a incentivem e quase forçam a ela sair da sua concha e aquilo que ela vai descobrir pode ser mais poderoso do que ela estava a imaginar.

Este é daqueles filmes que nos dão a sensação de bem estar, de nos sentirmos bem connosco próprios e com a vida. A transformação de Carrie é palpável e isso passa para nós, e à medida que o filme se vai desenrolando vamos-nos identificar cada vez mais com ela e com a sua vida, o seu passado e possivelmente com o seu futuro. O passado dela não foi fácil, tanto a nível familiar como a nível pessoal e escolar e uma desilusão, quer seja amorosa ou na nossa vida, magoa e mexe connosco, e é capaz de deixar marcas na nossa vida irremediáveis. Carrie carrega com ela várias mágoas, que a fizeram fechar-se sobre si própria, viver a vida à moda dela, afastando os outros e isolando-se cada vez mais. Mas quando o seu terapeuta lhe dá uma lista de coisas que ela tem de fazer ela vai voltar-se para o mundo e descobrir, amigos, um trabalho, o amor e acima de tudo a felicidade.

Este é um filme muito tocante e dramático, mas ao mesmo tempo muito divertido e cómico. A Carrie passa para o espectador a sua total personalidade de menina introvertida, mas ao mesmo tempo cómica e trágica. Aquela pessoa que reclama de tudo mas que não faz nada para mudar, mas que por dentro está deserta para definitivamente mudar. O filme é simples, com uma linguagem simples e directa, que chega rapidamente ao espectador. Somos levados na trama de uma forma leve e descontraída e acima de tudo conseguimo-nos identificar muito bem com a história, os dilemas e vivências da Carrie. Afinal ela era apenas uma menina de 19 anos prestes a descobrir o mundo. 

Um filme que recomendo para uma tarde de cinema. 





Enviar um comentário

Latest Instagrams

© Serão no Sofá. Design by FCD.