Flesh and Bone (minissérie 2015)

8.21.2017

Sou uma grande fã de séries e filmes onde a dança é o foco principal. Quando descobri esta série fiquei logo com curiosidade e decidi que a tinha que ver. Vi o primeiro episódio e fiquei logo agarrada à série, mas a vida entrou no meio dos meus planos e quando dei por mim tinha a série colocada de lado. Este BEDA decidi que queria mesmo terminar esta série e dar-vos a minha opinião sobre ela. 
Minissérie em oito episódios passada no mundo do ballet profissional acompanha Claire Robbinsm uma jovem bailarina com um passado complicado que passa a integrar uma prestigiada companhia em Nova Iorque.
Nesta série de oito episódios conhecemos a Claire, uma rapariga do interior da América que está a fugir para a grande cidade de Nova Iorque em busca do sonho de se tornar uma bailarina profissional. Em Nova Iorque ela presta audições para uma companhia de bailado e é aceite apesar do seu passado obscuro. É quando a vida dela começa que toda a sua história a vai assombrar e nós vamos entrar num mundo de obscuridade, não só do ballet, mas da mente da Claire e das pessoas à sua volta. E que grande série esta que eu decidi ver. Ela é forte, é dura, e é uma série que não tem medo de mostrar e falar tudo aquilo que quer. Esta pode ser considerada uma série focada em duas partes:

1 – O Ballet:
Esta é uma série que se foca em primeira análise na dança e numa companhia de dança. E esta foi sem sombra de dúvidas uma das partes que mais gostei. A série aborda o dia a dia de uma academia de dança, a forma como se prepara todo um espetáculo, os custos e os problemas que estão inerentes à gestão de uma companhia e acima de tudo todas as relações que envolvem pertencer àquele mundo. As artes são talvez das profissões que mais envolvem a perfeição e a competitividade. Ninguém entra no mundo do ballet profissional se não for muito bom e se não estiver ali para fazer de tudo o que puder para vencer, muitas vezes isso significando magoar o outro a troco de nada. Gostei de ver todos estes assuntos retratados na série de uma forma honesta e verdadeira, mostrando que nada é fácil e que a obscuridade está bem mais presente do que aquilo que imaginamos.  Um dos pontos altos desta parte foi sem dúvida as grandes cenas de dança, não só nos ensaios mas também em palco que foram de arregalar os olhos. Para isto contribuiu o facto de terem contratado para esta série bailarinos profissionais o que atribuiu um outro tipo de credibilidade à série.

2 – A Claire:
A Claire é a protagonista desta série e o seu grande motor também. Ela é uma rapariga misteriosa que acaba de chegar a Nova Iorque e de conseguir uma vaga numa companhia de bailado. Apesar do seu passado misterioso ela tem imenso talento e isso faz com que o seu trabalho e as suas oportunidades sejam muito invejadas. A forma como ela se relaciona com o ballet e aquilo que ela entrega à dança e à arte é algo muito interessante de se ver. Percebemos que a dança é algo muito importante para ela, e que ela pode ou não influenciar o seu futuro e a forma como poderá encarar o seu passado. A actriz que interpreta Claire é uma bailarina prossional de Ballet, a Sarah Hay, o que conferiu às partes da dança mais profundidade e profissionalismo. E ela como atriz também não se saiu nada mal, tendo conseguido demosntrar muito bem todos os sentimentos pelos quais a sua personagem ia passando. E a personagem Claire vai passando por muitos sentimentos ao longo destes oito episódios. Começando desde logo pela dança que é exigente e que vive à mercê da perfeição, da inveja, da malicia. O que juntando a um passado nada fácil que ela carrega leva-nos a uma explosão de personagem muito interessante. E é também interessante ver como ela, enquanto personagem, também se vai movimentando e encarando todas as situações pelas quais vai passando ao longo dos episódios. 

Esta é também uma série que acaba por explorar outros personagens de uma forma muito interessante. Temos então o director da academia de dança que parece ser um ex-bailarino frustrado que só gosta de exigir dos outros aquilo que não conseguiu. Temos a prima bailarina da companhia que sofre de uma lesão mas que não quer desistir da dança. Temos a bailarina com os distrubios alimentares que acaba a descobrir ter uma doença grave. Temos também o irmão da Claire que tem uma grande influência no passado da protagonista e que vai ser um importante elo na história.  E temos também o sem abrigo que vive no topo do prédio da Claire que vai ser uma peça muito importante na série. 

Esta é uma série muito bem produzida , cheia de histórias e sub-histórias que vos vai envolver e que vocês não vão querer largar. É uma série muito bem produzida e que nos envolve neste mundo do ballet, mas também nas histórias profundas que cada personagem carrega. É uma série muito boa e que recomendo muito.
 
 





2 comentários

  1. Eu gostei desta série mas não adorei.
    O professor, mean mother fucker, faz um papel mesmo bom. A mi+úda, teve momentos...às vezes gostava, outras nem por isso.
    Já não me recordo muito do final mas sei que esperava outro tipo de final mais "tcharam"! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O professor era mesmo qualquer coisa..
      Sim.. inicialmente a série era mesmo para ser uma série, o que até teria feito mais sentido.. assim ficou muito cortado..

      Eliminar

Latest Instagrams

© Serão no Sofá. Design by FCD.