Dose dupla #4 | Yimou Zhang

3.25.2017

Um dos blockbusters do mês de Fevereiro foi o filme The great wall (A grande muralha) do realizador Yimou Zhang. Como ainda não tive oportunidade de ver este filme (que não foi muito bem recebido) mas adoro dois dos anteriores filmes do realizador (A casa dos punhais voadores e Flores de guerra) resolvi aproveitar estas últimas semanas para ver dois dos seu filmes mais populares e hoje venho falar deles aqui no "Serão".


Yimou Zhang é um aclamado e premiado realizador que nasceu na China em 1950. Concluiu o seu curso em 1982 na Academia de filme de Beijing e pertence a um grupo de jovens realizadores chineses, denominado de "Fifth generation". Todos eles frequentaram a mesma classe nesta academia e os seus filmes foram muito visíveis nos cinemas à volta do mundo em meados dos anos 80.



O seu filme de estreia foi o filme de 1987, Red Sorghum (Milho vermelho), que ganhou o Urso de Ouro no Festival Internacional de Berlim, e desde então, o realizador já lançou mais de 15 filmes. Judou de 1990, Esposas e concubinas de 1991 e Herói de 2002 foram todos nomeados para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, e vários dos seus outros filmes já ganharam prémios nos festivais de Cannes e Veneza. Os filmes de Yimou Zhang são geralmente dramas de época que se focam principalmente na resiliência do povo chinês face às adversidades e a busca de harmonia. São também filmes que se caracterizam pela utilização de cores vibrantes e/ou a criação de um esplendor visual.

Algo curioso sobre o realizador é o facto de ele ter dirigido as cerimónias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos de 2008.


Nota:  ★★★☆ | [IMDB]
Na China ancestral, antes do surgimento do primeiro imperador, a nação divide-se em sete reinos. Qin (Daoming Chen), o soberano da província do norte, sofre constantes ameaças e tentativas de assassinato. O que mais o preocupa são três assassinos de elite, contratados por seus adversários políticos. Um dia um dos magistrados de seu reino entra no palácio carregando as armas dos assassinos, afirmando ter derrotado os três inimigos em combate após de ter passado mais de uma década estudando a técnica da espada.
Nota:  ★★★☆ | [IMDB]
Durante a dinastia Tang da China, o imperador tomou a princesa de uma província vizinha como esposa. Ela deu-lhe dois filhos e criou o seu filho mais velho. Agora o seu controle sobre o seu domínio está completo, inclusive sobre a própria família real.

A maldição da flor dourada e Herói são dois filmes populares do realizador que, apesar de terem um pano de fundo histórico, acabam por ser também filmes de acção, com direito a lutas de wire fu (kung fu com auxílio de fios).
A maldição da flor dourada é uma tragédia familiar real repleta de intrigas, traições e relações disfuncionais. Já o Herói é mais um drama épico; um mistério contado de várias perspectivas com muitas reviravoltas e com uma mensagem final provocadora (talvez aquilo que menos gostei no filme).


Em primeiro lugar, tenho de dizer que ambos os filmes são lindíssimos. A maldição da flor dourada impressiona através do seu majestoso guarda-roupa e uso abundante da cor dourada. Herói impressiona através do seu esquema de cores, que muda sempre que mudamos para um novo segmento da história. Em ambos, a direcção de arte está espectacular, as lutas são poéticas e fluidas, e a escala de produção é impressionante.


São ambos filmes intensos e dramáticos, quase que até teatrais, o que pode não agradar a muitos mas que eu aprecio. Ambos se focam também em aspectos históricos e culturais chineses. As personagens em ambos os filmes são um pouco unidimensionais mas servem o seu propósito na história e facilmente percebes as suas motivações. Ambos os filmes apresentam elencos chineses de luxo mas vou ter de destacar as interpretações de Li Gong e Yun-Fat Chow no A maldição da flor dourada, e as de o Tony Leung e Maggie Cheung no Herói


Concluindo, gostei muito de ambos os filmes e vou continuar a apostar na filmografia do realizador. Comparando os dois, tenho de dizer que me senti mais investida na história do A maldição da flor dourada mas que o Herói é uma obra de arte em termos visuais. Se tivesse de escolher um apenas para vocês verem, diria para apostarem no Herói pois a sua fotografia é inesquecível e tem também uma história interessante.

    


    




Já viram algum destes filmes ou conheciam o trabalho de Yimou Zhang?



Fontes:
- https://en.wikipedia.org/wiki/Zhang_Yimou
- http://sensesofcinema.com/2002/great-directors/zhang/
- http://content.time.com/time/specials/packages/article/0,28804,1861543_1865103_1865107,00.html

Enviar um comentário

Latest Instagrams

© Serão no Sofá. Design by FCD.