The night manager (minisérie 2016)

The Night manager (pt: O gerente da noite) foi uma minisérie que me chamou a atenção assim que sairam os primeiros anúncios, especialmente devido ao seu elenco. Apesar de ter estreado em Junho na televisão portuguesa, só consegui assistir aos episódios no passado mês de Julho e confesso que foi uma minisérie que acabou por me desiludir.

Hugh Laurie e Tom Hiddleston protagonizam O Gerente da Noite, um thriller de espionagem apaixonante baseado na novela homónima de John le Carré. A série mostra as peripécias de Jonathan Pine, que, depois de entrar para o serviço de inteligência britânico, tem de se infiltrar no círculo de confiança do perigoso traficante de armas Richard Onslow Roper.
Não posso dizer que The Night manager seja uma má série. Não é de todo! É uma boa série, vê-se bem, mas sinto que a nível de história não traz nada de novo. Tendo em conta as óptimas críticas que tem recebido (incluindo diversas nomeações para os Emmys), ia com expectativas elevadas que acabaram por não ser atingidas.

Vamos começar pelos pontos positivos. Visualmente, a série é lindíssima, tanto a nível de locais como de guarda-roupa. Sem dúvida, que esta apresenta uma elegância e um requinte que não se encontram na maioria das séries de TV. Nota-se que é uma série com uma boa produção e realização. A destacar também, sem dúvida, o genérico da série.


  



  

Outro ponto positivo é o seu elenco de luxo. A série conta com a participação de Tom Hiddleston, Hugh Laurie, Elizabeth Debicki, Olivia Colman e Tom Hollander. Adorei a interpretação de Tom Hollander como o excêntrico e desconfiado aliado de Roper e também gostei muito de ver o Hugh Laurie como o vilão. Gostei das prestações individuais do Tom Hiddleston e Elizabeth Debicki mas confesso que não gostei muito da química entre os dois, talvez porque a sua relação amorosa me pareceu super forçada. Acho que Tom Hiddleston foi um bom espião mas confesso que continuo a não o ver como um possível James Bond.



Esta é uma minisérie de 6 episódios, cada um com cerca de uma hora, baseada num livro com o mesmo nome de John le Carré. Confesso que quando comecei a ver a série não sabia que esta era baseada num livro mas isso acabou por ser bastante notório durante a sua visualização. Esta apresenta os típicos clichés de um livro de espionagem: um espião que não resiste a uma mulher bonita, um vilão que afinal, graças a uma série de coincidências, é mais fácil de derrotar do que parecia, personagens secundárias um pouco unidimensionais, etc...



No início, a história consegue ser sólida e é criada com sucesso uma atmosfera de perigo, tensão e suspense. Contudo, nos episódios finais o enredo apresenta várias falhas que não consegui ignorar. Não quero entrar em spoilers mas basicamente há personagens que começam a agir de forma um pouco incompreensível e alguns conflitos da história acabam por ser resolvidos de uma forma pouco verosímel e satisfatória.



Concluindo, recomendo esta série para quem quer ver uma série de espionagem não muito extensa, com um bom visual e interpretações. Eu prefiro os meus thrillers com um pouco mais de intriga mas mesmo assim valeu a pena a sua visualização.


Classificação: ★★★☆☆½

Share:

0 comentários